CARLOS ROSA MOREIRA
CARLOS ROSA MOREIRA
Membro do Cenáculo Fluminense de História e Letras, da Academia Niteroiense de Letras e da Associação Niteroiense de Escritores. Tem oito livros publicados, todos de crônicas e contos. carlosjrmoreira6@gmail.com

Por: CARLOS ROSA MOREIRA

24/04/2022

08:38:47

VENTO SUDOESTE

VENTO SUDOESTE
Há quem pense ser ele sorrateiro: engana-se. Chega com sutileza estudada, mas sem ocultar a natural selvageria e logo logo mostra a que veio. Conheço-o de muitos anos: tempos que deixei no mar, tempos de andanças que vou deixando sobre a terra. Em muitas noites na juventude suas rajadas intermitentes esboroaram-se contra minha janela...

            ...Vinham fortes, violentas, parecendo um pesadelo. O vidro encurvava-se, as madeiras estalavam. Nem sempre foi possível detê-lo. Como hordas de feros aqueus, suas rajadas invadiram minha cidadela. E naquele tempo não houve portas, não houve janelas.

            Às vezes acontece. Surpreende-nos desarmados, até mesmo receptivos. Açoites a maltratarem a alma e o corpo, tornando-se este triste consequência da agonia da alma.

            Hoje à tarde, com o tempo firme e o horizonte limpo, caminhando à beira-mar, antes de vê-lo, eu o senti. Percebi um sopro ligeiro. Sutil, passou por mim e buliu com as amendoeiras.  O ar parou, mas só por instantes. Ao longe, no mar, um encrespado deu às águas uma coloração tom sobre tom. Novamente veio o sopro, mais forte, dessa vez como se falasse. Tudo se agitou. “Lá vem ele”, pensei.  Em segundos o mar ficou de um só tom. Numa razia ele tomou a superfície das águas, escurecendo-a, avançou terra adentro, derrubou uma criança de sua bicicleta, levou folhas, galhos e coisas pelos ares, fez todos procurarem abrigo.

            Eu o encarei, pois andava de encontro a ele. Sou um marinheiro de longo curso, um andarilho de muitos caminhos. Ria, batia palmas, saudava-o, pois é belo. Não há como não reconhecer a beleza, mesmo naquilo que é terrível. E beleza hipnotiza, por isto eu o festejava. Quem passava devia achar-me louco, assim a falar para o vento.

            ─ Vem, seu puto! Que espetáculo... Que espetáculo!

            Recebia suas rajadas no peito, ouvia seu inconfundível rumor: ataca, finge retroceder, ataca com mais furor. Eu sorria, às vezes gargalhava, vendo-o como algo apenas banal, uma força da natureza, sazonal e comum.

            ─ Bate, vento, bate!

            E sorria.

            

Friweb Agência Digital
ÊXITO RIO
ÊXITO RIO
ÊXITO RIO

TURISMO

VALE A PENA VER DE NOVO: ESTÁ SURGINDO A ROTA CERVEJEIRA DO RIO DE JANEIRO - CERVEJAS DAS MONTANHAS
VALE A PENA VER DE NOVO: ESTÁ SURGINDO A ROTA CERVEJEIRA DO RIO DE JANEIRO - CERVEJAS DAS MONTANHAS
A Rota Cervejeira do Rio de Janeiro vai ligar todos os produtores de cerveja da região, das micros as grandes cervejarias além dos brewpubs, oferecendo aos turistas e visitantes uma...

GERAL

VALE A PENA VER DE NOVO:  VÍDEO COMEMORATIVO REVISTA ÊXITO RIO 10 ANOS
VALE A PENA VER DE NOVO: VÍDEO COMEMORATIVO REVISTA ÊXITO RIO 10 ANOS
Uma história contada em vários capítulos e com muitos...