CARLOS ROSA MOREIRA
CARLOS ROSA MOREIRA
Membro do Cenáculo Fluminense de História e Letras, da Academia Niteroiense de Letras e da Associação Niteroiense de Escritores. Tem oito livros publicados, todos de crônicas e contos. carlosjrmoreira6@gmail.com

Por: CARLOS ROSA MOREIRA

06/03/2021

10:33:58

VÉSPER

VÉSPER
Estava envolvido com doutrinas e jurisprudências. Lia, pesquisava. Por isto nem me dei conta de que o dia se fez noite. Pela janela vi a grande amendoeira revirar os galhos e mostrar a intimidade de suas folhas. Deixei os livros e fui espiar. Veio outra rajada, que de novo mexeu com a amendoeira, com as mangueiras, movimentou as sibipirunas e causou tumulto entre as bananeiras. Alvoroçou o verde do morro diante da minha janela. Nuvens esfumaçadas corriam pelo céu para esconderem os últimos vestígios de azulada claridade. Tudo se movimentava...

...“Isso é coisa do vento sul”, pensei. Depois veio a primeira faísca, e trovão a estremecer o mundo. E clarão e outra pancada e raio de cobrir espelho e esconder tesoura. A chuvada desceu, amansou o vento e pareceu alegrar todas as árvores e todo o verde. Então percebi um jeito de nossa casa nessa tarde. As tempestades tantas que apreciamos juntos. A luz acesa da cozinha para compensar o escuro trazido pelas nuvens. O vespertino bolo inglês, bem-vindo e cheiroso para acompanhar o café preto enquanto olhávamos a chuva. E nada dizíamos, apenas apreciávamos a chuva. Nossa casa era a proteção, camarote seguro a manter-nos ao largo das procelas do mundo. As tempestades arrebatavam nossos olhos extasiados com sua violenta beleza. Mas um dia percebemos o silêncio da casa. E era um silêncio frio, um silêncio de ausências. Nossas ausências.

O vento amainou, mas cai a chuva. Fulgem raios a vergastar céu e terra. Trovões se sucedem. Encostado à porta tomo café e observo tudo isso. As casas e os edifícios refletem as súbitas descargas elétricas. Mesmo feitas de cimento, tijolo e ferro parecem estremecer com o ímpeto da natureza. São como navios em mares furiosos. E naquelas paredes por onde as águas descem feito cascatas, vejo quadrados de luz que me lembram camarotes.

A tempestade de hoje mostrou-se com o vento sul. Ele a anunciou. Às vezes é o vento nas árvores, outras vezes a movimentação das nuvens; não raro, um fragor distante. Elas são assim, as tempestades. Deixam-se perceber, mesmo com sutilezas vagarosas. Mas, para percebê-las, é preciso ser leitor do tempo e do vento. Leitor das coisas do mundo.

Últimos vídeos postados

GASTRONOMIA

VALE A PENA VER DE NOVO: OS SABORES DA
VALE A PENA VER DE NOVO: OS SABORES DA (...)
O empresário niteroiense Emerson Pelegrinelli, proprietário da boutique de carnes "Santa Carne" na Região Oceânica de Niterói, fala sobre cortes especiais e (...)

HISTÓRIA

NOVA FRIBURGO, A SUÍÇA BRASILEIRA?  (PARTE 4))
NOVA FRIBURGO, A SUÍÇA BRASILEIRA? (PARTE (...)
Neste último episódio da série de programas, o professor Ricardo Costa fala do Movimento operário e as greves do século XX em Nova (...)