03/03/2020 - 13h12min - Autor: Chico Vellozo

Intervenção cidadã

Intervenção cidadã

Estivemos inebriados com a falsa sensação de liberdade e comemoramos as “diretas já” por muito tempo. Em um verdadeiro êxtase coletivo houve um torpor prolongado e uma profunda alienação, deixando-nos inoperantes. Esquecemos de cumprir nosso papel de cidadãos e essa omissão permitiu uma verdadeira inversão de valores fazendo com que a classe política assumisse a condução dos rumos da nação legislando em causa própria.

Já passou da hora de atuarmos no processo de democratização! Fomos coniventes com tudo que houve de errado assumindo uma passividade irresponsável, tendo na ponta da língua chavões para justificar esse comportamento indiferente: “Deixa pra lá, isso não vai dar em nada”, “Tudo vai acabar em pizza”, “Rouba, mas faz” entre outras pérolas. Cada um cuidou da sua própria vida esquecendo de assumir o protagonismo no “governo em que o povo exerce a soberania”. Perdemos a noção de que, além de votar com consciência, deveríamos eleger nossos representantes, fiscalizar suas ações e pleitear mudanças positivas voltadas para o bem comum.

Agora ganha força o desejo para que os militares assumam o poder. Não concordo com isso. O povo sim deve interferir nos rumos da nação. Já que agora contamos com um presidente afeito a ideia de correção de rumo, precisamos apoiá-lo intensamente participando de manifestações de repúdio aos falsos defensores da democracia, exigindo que a classe política represente os anseios da nação e o judiciário cumpra seu papel primordial de fazer prevalecer verdadeiramente a justiça.  Não podemos simplesmente impingir aos militares a responsabilidade de melhorar o país, é necessário assumirmos nosso papel de cidadãos partindo da premissa que as instituições devem atender aos interesses da coletividade. Intervenção cidadã já!

Parceiros