08/05/2019 - 15h13min - Autor: Ayrton Dias

A "Suíça Brasileira" comemora mais um aniversário em 16 de maio

A data tem como referencial o ano de assinatura do decreto real

A "Suíça Brasileira" comemora mais um aniversário em 16 de maio

Em 4 de julho de 1819 partiram da Europa 2.006 suíços que tinham como missão fundar uma colônia em Nova Friburgo. Eram 830 pessoas de Fribourg, 500 de Berna (incluindo o Jura de Berna), 160 do Valais, 90 do Vaud, 5 de Neuchatel, 3 de Généve, 143 de Aargau, 118 de Solothurn, 140 de Lucerna e 17 do Schwyz, mas em função das adversidades da viagem apenas 1.617(14 bebês nasceram durante a viagem) chegaram à “terra prometida”.

Através de lei sancionada pelo governo estadual no ano do bicentenário, Nova Friburgo obteve o título oficial de "Suíça brasileira"! Foi uma justa homenagem a participação helvética na criação de um município que teve em sua gênese elementos suficientes para compor o roteiro de um verdadeiro filme épico!

Nova Friburgo é conhecida como a cidade de todos os povos! Há de se fazer justiça aos diversos países colonizadores que contribuíram para a prosperidade da “Princesinha da Serra”. A multifacetada Friburgo é fruto de notórias influências que atuaram de maneira determinante em seu desenvolvimento. Alemães, austríacos, espanhóis, húngaros, italianos, japoneses, libaneses, portugueses e nação pan-africana tornaram o município friburguense um lugar único e muito especial. Entretanto, coube aos suíços o protagonismo no processo inicial da colonização friburguense e, após 160 anos, a histórica retomada de relações que resultou em intenso afeto mútuo e constante intercâmbio. 

A cordialidade entre a famosa cidade serrana e, notadamente, o Cantão de Fribourg - que deu nome ao município-  é impressionante e admirável! Segundo o presidente da Associação Nova Friburgo-Fribourg Geraldo Thuler, após longos anos de afastamento somente na década de 1970 - através das pesquisas realizadas pelo suíço Martin Nicoulin que resultaram na publicação do livro "A Gênese de Nova Friburgo”- foram retomados os laços de amizade. Essas pesquisas resgataram todos os sobrenomes das famílias suíças pioneiras despertando enorme sentimento de pertencimento em seus integrantes, que passaram a escrever biografias, organizar encontros anuais e a fazer intercâmbio com a terra natal de seus ascendentes. 

Curiosidades

Dos 11 cantões suíços envolvidos na viagem ao Brasil Friboug é o que tem uma maior relação de proximidade. Foram 830 pessoas que partiram de lá em “jornada sem volta” para fundar uma cidade. 

 Em seu centenário (1918), representantes do município comemoraram a data telegrafando a Portugal para comunicar que estava cumprida a missão designada por Dom João VI. Comemorava-se os 100 anos também com a composição do hino à glória dos fundadores. 

Segundo o Instituto Histórico e Geográfico, de acordo com a documentação existente, o município deveria celebrar sua fundação a partir de 03 de janeiro de 1820, data da fundação da Câmara. Essa polêmica surgiu durante as comemorações do 150° aniversário e mesmo assim a celebração continuou ocorrendo em 16 de maio. 

O bicentenário tem como data referencial o ano de assinatura do decreto real (16 de maio 1818), mas 16 de novembro 1819 é muito representativa pelo fato de registar a chegada dos primeiros suíços no Brasil. O dia 1 de agosto é o dia Nacional da Suíça e a Casa Suíça promove durante todo esse mês diversos eventos comemorativos, tendo como principal atração o concorrido Festival do Chocolate! 

A dificuldade de comunicação fez com que vários sobrenomes tivessem grandes alterações na grafia. Tacheron, por exemplo, passou a ser registrado como Teixeirão.

Inaugurado em 1º de agosto de 1996, O Memorial é um grande atrativo que através de visitas guiadas conduzidas por profissionais altamente especializados que narram de maneira envolvente e em meio a mobiliário, trajes, ferramentas e utensílios que evocam o dia-a-dia dos colonizadores suíços apresenta toda a saga dos colonizadores suíços. Nessa verdadeira viagem ao passado o visitante vislumbra a fundação de Nova Friburgo e os eventos que propiciaram a reaproximação dos suíços e brasileiros nos últimos anos. Um moderno sistema multimídia também permite o acesso ao histórico dos primeiros imigrantes suíços e a uma série de vídeos em alta definição que mostram a Suíça como ela é hoje, com seu povo, suas cidades, montanhas, rios e castelos.

Existem apenas nove queijos tipicamente brasileiros, e o Moleson de Nova Friburgo é um deles. Trata-se de um queijo de massa semidura com casca lavada e firme produzido pela Queijaria Suíça. Maturado por sessenta dias, o Moleson é amanteigado, levemente picante e de intensidade mediana. Esse foi o primeiro queijo de casca lavada a ser desenvolvido no Brasil. Seu diferencial consiste na aplicação de uma bactéria lática chamada lines, que forma uma fina camada de enzimas que agem sobre a massa, conferindo ao queijo sabor e aroma especiais.

 

Parceiros