07/02/2019 - 13:56h - Autor: Ayrton Dias

Wanderson Nogueira – um jovem de valor

Wanderson Nogueira – um jovem de valor

Com uma oratória impecável e grande capacidade de produzir textos envolventes, aos 35 anos o talentoso jornalista Wanderson Nogueira já pode ser considerado um dos principais nomes da história da comunicação friburguense. Em sua expressiva trajetória de sucesso no exercício das suas funções, tornou-se um exemplo de isenção, correção e agilidade. Extremamente responsável, ele é uma referência profissional para os amantes do bom jornalismo.

Além de se destacar na área da Comunicação Social, Wanderson transformou-se em em fenômeno na política. Eleito vereador, resolveu concorrer em seguida ao pleito para a ALERJ, elegendo-se também, com expressiva votação, deputado. Sua intenção ao optar por atuar no poder legislativo estadual foi pautada única e exclusivamente na possibilidade de contribuir mais incisivamente para o desenvolvimento de Nova Friburgo.

Atualmente, após um revés eleitoral, Wanderson pretende iniciar um novo ciclo. A Êxito Rio, no intuito de divulgar a nova fase da vida desse verdadeiro líder obteve a seguinte entrevista:

 

Quais são seus planos para o futuro?

Seguir na carreira de jornalista, profissão que jamais abandonei seja na TV, no rádio ou no jornal impresso. Obviamente que o mandato a mim conferido fez com que eu tivesse que priorizar a função exercida em grande parte na capital, o que dificultou o tempo que eu reservava para o jornalismo. É retomar um pouco isso, inclusive em novas plataformas. No que diz respeito à política, o cargo não me define. Independente de não estar mais deputado seguirei na defesa da região, da juventude, do desenvolvimento econômico do interior e da ciência e tecnologia como ferramenta de inclusão e avanço social. É claro que institucionalmente não tenho como garantir êxito em batalhas como a lei da moda (que assegurou os empregos da cidade), mas luta não faltará. Devo desenvolver ainda um trabalho para o qual fui convidado de políticas públicas para a juventude de todo o Estado. Já estou preparando também um projeto para Nova Friburgo: "Nova Friburgo - a melhor cidade do Brasil". Uma carta extensa com objetivos e metas de curto, médio e longo prazo que recuperem o papel de pioneirismo que o município teve no passado. Um projeto ousado, mas realista de aceleração para recuperar o tempo perdido. Após formatá-lo melhor, estarei convidando especialistas e a sociedade para aperfeiçoá-lo.   

Qual foi o seu maior aprendizado obtido em sua experiência no mundo da política?

Estar no momento mais conturbado da história do RJ e sair de cabeça erguida é algo que não tem preço. Bom demais sair respeitado, poder andar nas ruas e dormir com a consciência tranquila. Os ensinamentos de meus pais e professores continuam a me acompanhar: honestidade não é qualidade, é obrigação; competência tem que ser avaliada e posicionamentos comparados. A avaliação é de que fizemos o melhor mandato da história entre as representações locais que por lá passaram. Isso porque, cumprimos com todas as tarefas de um parlamentar, demos destaque a região, não fugimos das ruas e dos debates. Acredito que a grande experiência é não permitir que a sua essência se perca pela vaidade ou luxúria. Fazer as escolhas que permitiram manter a honra intacta é o grande desafio que, felizmente, saí vitorioso. 

A que atribui a sua não reeleição?

Nadar contra a corrente nem sempre produz vitórias eleitorais, mas te coloca em um lugar legal na história. Alguns avaliam que perdi a eleição, ainda que tenha sido o mais votado da cidade, por conta da minha fidelidade ao grupo político que fazia parte. Mas não trocaria a vitória eleitoral pela deslealdade. O Psol pesou - avaliam. Mas foi uma decisão em que priorizei manter unido o grupo que me lançou 4 anos antes pelo PSB. Olha, eu acredito em pessoas mais do que em partidos. Agora, surge uma nova etapa. Cumpri com meu papel dentro daquele contexto. Agora, mais do que nunca, sou capitão do meu próprio destino, dentro daquilo que acredito. Estudo um novo partido, sem qualquer pressa. A minha ideologia é Nova Friburgo. Mas respondendo à pergunta objetivamente: a vitória não veio porque essa foi uma eleição de extremos e sempre tive conduta equilibrada; pelo excessivo número de candidaturas locais, cujos objetivos - com uma ou duas exceções - nem preciso dizer; e pelo grande número de votos em candidatos sem qualquer histórico com Nova Friburgo, mas que souberam vestir a ruptura depositada na candidatura presidencial. Apesar de não vencer a eleição, com todos os contrapontos, considero uma vitória política ter sido o mais votado entre os domiciliados em Nova Friburgo.      

Assumir publicamente a sua orientação sexual foi uma decisão difícil?

É um processo de autoconhecimento. É uma construção que sai das estratégias numéricas e políticas e vai pro campo das emoções, do amor e do amar sem temer. O amor nos liberta, mesmo quando insistimos em nos autoescravizar. A vida privada e a vida pública são distintas, ainda que se confundam quando você está na política. Parecia que eu estava escondendo algo das pessoas. O que na verdade nunca escondi ou menti. Todos os meus amigos sabiam. Ate minha ex-namorada sabia e torce por mim. Depois de muito refletir, decidi me abrir por mim e pelos outros para mostrar que sexualidade não define caráter, não estipula competência ou talentos. A sexualidade não irá dizer se a pessoa é boa ou má, simplesmente porque é homo, bi, trans ou hétero. Foi muito bom se abrir e a reação das pessoas me surpreendeu positivamente. Estou feliz por ter me declarado e naturalizado  o que não deve ser uma questão para ninguém. 

Em seu entendimento, o que pode ser feito para a obtenção do pleno desenvolvimento em Nova Friburgo?

O primeiro passo é resgatar a autoestima da população. Sabe quando a moral da tropa está pra baixo, quase no fundo do poço? A população friburguense se desencantou com os últimos anos, que considero uma década perdida na Prefeitura. É preciso elevar a autoestima de quem realmente faz a cidade - as pessoas. Para isso é preciso ter um plano estratégico de desenvolvimento com prazos a serem cumpridos de maneira bem definida e alcançável, sem receio de sonhar. Nova Friburgo tem tudo para ser a melhor cidade do Brasil. As pessoas, de todos os setores e esferas precisam se contagiar por essa ideia que é uma realidade possível. Daí, é preciso dar como contrapartida à elas uma melhor qualidade de vida. São urgentes questões como o trânsito, saúde e educação. Paralelo a isso é preciso mostrar que a cidade estará mudando. Com um choque de urbanismo não só no Centro, mas também nos bairros periféricos. Também estou convencido de que o turismo é mola essencial desse levante de autoestima e de ascensão econômica. Mas para ser de fato uma cidade turística se torna fundamental uma grande transformação que leve em conta a valorização do esporte e da cultura. Está tudo interligado! Temos todos os ingredientes. É preciso ânimo, coragem e planejamento. Agir agora com olhar para o futuro. Começar sabendo onde quer chegar: tornar aqui o melhor lugar do País para se viver.     

Alguma mensagem?

Nova Friburgo tem potencialidades incríveis e não pode continuar se contentando com o pouco ou o mais ou menos. É chegada a hora de ver o horizonte que existe para além das montanhas. É se inspirar na nossa valorosa história, perceber o que a natureza nos concede somada a força criativa e de trabalho de nossa gente - para acreditar no futuro. Que aqueles que são apaixonados por Nova Friburgo sonhem, mas ajam com a ousadia que o futuro nos pede.

Notícias relacionadas

CLIQUE AQUI PARA VER MAIS

Compatilhe nas Redes Sociais!

comentários